sábado, 18 de novembro de 2017

Bom fim de semana!



Cada vez mais o simples faz sentido para mim. Descomplicar, abrandar, observar, apreciar, dizer não ao que não acrescenta paz, alegria e crescimento. 
Deixar o pó em cima dos móveis e ir à floreira da janela apanhar uma flor para pôr num simples frasco de vidro com água em cima da mesa, reparar na luz de Outono que entra pela casa, sentar na varanda a ler uma revista cujo sentido é esse mesmo: abrandar e apreciar as coisas simples da vida.
Respeitar o corpo tendo atenção à sua comunicação conosco. São tantas as distracções da vida, são tantas as imposições, as amarras, os pedidos. E nesta percepção, não é fácil mudar. Mas é possível. Sim, é possível. Não ir com a corrente é ser contra-corrente e qualquer dia a contra-corrente já é corrente, mas neste meio tempo, importa respeitarmo-nos e vivermos por inteiro, de acordo com a necessidade que o nosso ritmo pede.
Sim, é possível. 


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Boa semana a todos!





A alma é uma borboleta. 
Há um instante em que uma voz nos diz que chegou o momento de uma grande metamorfose.


Rubem Alves


segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Um dia de anos como se quer











Um dia de anos sem prendas, sem festa, nem sequer bolo. Que importa?  Fui eu que escolhi assim. Para mim, o importante são os momentos e as emoções. E essas, foram do melhor. 
Um dia calmo, muitas mensagens e telefonemas mas, sobretudo, muito passeio, e com a melhor companhia. Por sítios da minha infância e juventude onde eu não ia há muito, revisitados e redescobertos com outros olhos e outro coração. 
Para mim, esta foi uma das melhores maneiras de celebrar os meus 45 anos :)


segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Bom dia!



Os melhores professores
são aqueles que te mostram para onde olhar,
mas não te dizem o que ver.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Bom dia!



"E é por viver contente que concluo 
sem demora:
é a menina que vive por dentro, 
que alegra a mulher de fora! "

Luan Jessan


segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Praia, pedras e vida









Quando uma pedra se transforma em fio e quando esse fio se transforma num baú portátil de memórias a acarinhar. Carregar esta pedra ao pescoço tem para mim o valor simbólico de me fazer regressar às férias do Verão, onde caminhei pela praia, joguei beach ball, tomei banho, comi bem, vi os pescadores trazerem peixe do mar e essencialmente, onde sonhei e redimensionei a minha vida. De lá, trouxe o compromisso de abrandar cada vez mais e pôr cada coisa no seu devido lugar. De lá, trouxe esta certeza de que é no desacelerar e tomar consciência do aqui e do agora que a vida toma outro sabor e outro sentido. De lá, abracei a convicção de que não é pecado usufruir das coisas bonitas da vida e de que não é errado descansar aquilo que o corpo pede. Não faz sentido correr, se essa corrida não nos leva a um destino de paz e felicidade interior. Não faz sentido lutar por coisas materiais se, como diz a velha frase: as coisas mais importantes da vida não são coisas. Talvez me sinta desajustada neste mundo, mas isso só significa que talvez tenha sido criada para ajudar a construir um mundo novo!

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Casa







Quem me conhece, sabe que há uns poucos de anos que anseio ir morar para o campo. Há 5 ou 6 anos, não me lembro bem, pus o meu apartamento à venda, pesquisei, encontrei, negociei, tudo, só me restava que alguém o comprasse para eu poder comprar a casinha dos meus sonhos. As coisas não correram como eu desejava, e conformei-me, adquirindo novas formas de amar a minha casa. Novamente, há coisa de dois anos, voltei ao mesmo sentimento forte e voltei a pôr o apartamento à venda. A tal casinha dos meus sonhos já não estava à venda e encontrei outra. Novamente a espera saiu infrutífera. 
E hoje? Hoje mantenho o sonho. Mas aprendi a amar a minha casa. E percebo que, para onde quer que vá, é aqui que criei raízes, que já vivi o melhor e o pior da minha vida, de onde já saí e acabei por voltar. E amo-a. Por vezes desejo que não seja definitivo este amor, mas tenho, realmente, de ser muito grata pela casa que tenho. Muito arejada, muito luminosa, muito bem situada, com vista para o campo, de um lado e vista para a cidade de outro, e mesmo esta, com um jardim bonito e cuidado. Quando saio e regresso, sinto as mesmas emoções de há 21 anos atrás: a minha casa. A luz das diferentes estações, os cheiros dos dias, as pessoas que vão envelhecendo e outras crescendo, um pormenor aqui e ali que muda, mas o mesmo velho bairro onde me sinto em casa. Do lado com vista para o campo, é onde, afortunadamente, tenho a minha marquise, arejada no Verão e acolhedora no Inverno, de onde ouço o galo cantar a altas horas da madrugada, de onde ouço as ovelhas balirem, de onde vejo o vizinho a cultivar o seu terreno, transformando-o num jardim hortícola, com os seus sons próprios: o motor de rega, o tractor a fresar, os amigos que se juntam para a patuscada, um ou outro que pára para cumprimentar e trocar uns dedos de conversa. A minha casa. É aqui que vivo hoje. Com a graça de Deus.
E depois, convenhamos, qual é a casa que é abençoada com a visita de passarinhos que aqui ficam por horas? Ok, provavelmente muitas, mas deixem-se sonhar, está bem? ;)
E já agora, um feliz mês de Outubro a todos! :)